Gaia: Coopere e (sobre)viva

Falando sobre o lado catastrófico da natureza

Internet lenta? Leia no Bearblog!

Na mitologia grega, Gaia é considerada uma entidade primordial com uma potencialidade criadora enorme, e por isso também pode ser chamada de Mãe-Terra. Sozinha, gerou Urano, o Céu, com quem casou-se e teve filhos monstruosos, dentre eles Cronos.

Mas Urano era cruel e maltratava ela e seus filhos, prendendo-os no ventre da Terra. Até que Gaia se rebela e ajuda Cronos a matar o pai. Cria uma foice e entrega-a a Cronos, que castra o pai.

Gaia.
Gaia, by Anselm Feuerbach (1875).

Mais tarde, a história se repete. Temendo que um dos seus filhos o mate, Cronos os devora. Só Zeus escapa ajudado por Gaia, que o esconde em uma caverna. E mais tarde (de novo) destrona o pai com ajuda dos monstruosos hecatônquiros e titãs, filhos de Gaia.

E como no meme do Pica-Pau “e lá vamos nós”, Zeus trai Gaia, prendendo os filhos dela no Tártaro. Gaia se rebela, envia seus filhos andróginos, seres com quatro pernas e quatro braços, para escalarem o Monte Olimpo. Zeus os vence. Gaia envia seus gigantes, mas novamente perde a batalha. E por fim, envia Tufão, seu filho mais terrível.

Todos os deuses se unem contra o cataclismo em uma longa e sangrenta batalha. Derrotam-no, e enfim Gaia cede. Promete que nunca mais voltaria a tramar contra Zeus e é tratada como uma titã do Olimpo. A paz se estabelece.

Em outras palavras, Gaia parece sempre estar em prol da criação, mas os deuses, temerosos de seu enorme poder, tentam reprimi-la. O conflito acaba ganhando proporções catastróficas. Mas a cooperação abre espaço para a vida.

A Terra e suas simbioses

Fora da mitologia, a mesma relação conflituosa é vista no filme Final Fantasy: The spirits within, animação de ficção científica dirigida por Hironobu Sakaguchi, o criador da franquia Final Fantasy.

Pôster de Final Fantasy.
Pŝter de Final Fantasy.

O filme se passa em 2065, quando a humanidade foi quase dizimada pelos Espectros, uma forma de vida alienígena que consome o espírito dos seres vivos, matando-os instantaneamente. Para derrotar os Espectros, os cientistas pretendem usar o Canhão Zeus (em referência ao mito grego), mesmo sabendo que isso acabará com a única esperança de vida na Terra, destruir o seu espírito: Gaia.

Sim, mesmo sabendo. Porque já conhecem a Teoria de Gaia, mas têm medo. No filme, a teoria é proposta pelos cientistas Dr. Sid e Dra. Aki Ross, segundo os quais Gaia é o espírito da Terra responsável pela vida no planeta, e por isso os Espectros a procuram nos espíritos humanos.

No mundo real, a teoria foi proposta pelo químico James Lovelock e pela bióloga Lynn Margulis na década de 70. O James dizia que o planeta seria um superorganismo no qual todas as reações químicas, físicas e biológicas estariam interligadas. A Terra seria um corpo vivo. Não teria sido feita como a conhecemos para ser habitada. Ela se tornou o que é através do processo de habitação, de como os elementos se relacionaram.

Foto em preto e branco de Lynn Margulis e James Lovelock sentados numa biblioteca.
Lynn Margulis e James Lovelock.

A Lynn acrescentou uma base sólida à Teoria de Gaia ao comprovar que os seres vivos “cooperam para evoluírem” e não só “competem para evoluir” como pregavam os preceitos neodarwinistas.

Em sua Teoria da Endossimbiose, ela explicou a origem da mitocôndria, organela responsável pela respiração celular e reações metabólicas. A mitocôndria seria então descendente de uma bactéria antiga que utilizava oxigênio como “energia”. Foi encapsulada por uma célula há aproximadamente 1,6 bilhões de anos, mas não digerida por fornecer vantagem a essa célula. O organismo resultante é o ancestral de todas as células eucarióticas, ou seja, das células dos fungos, das plantas, dos animais, das nossas células.

Unindo Lovelock com Margulis, a Terra não seria então um planeta inanimado, que por acaso teve vida. A Terra é a própria vida, mantida viva pela cooperação. Romper a cooperação seria catastrófico, como Gaia enfrentando os deuses. É o que os cientistas Aki Ross e Sid precisam evitar em Final Fantasy, a sua última fantasia. E o que já vimos no mito de Erisictão.

Quando não cooperamos

Rei da Tessália, Erisictão era violento, não temia os deuses. Contra todos os conselhos, destrói o bosque sagrado de Deméter, deusa da agricultura. Corta um carvalho, matando a ninfa que morava ali dentro.

Pelos pedidos das divindades do bosque, que imploram por ajuda, mas também por vingança por ter a desrespeitado, Deméter acomete Erisictão com uma fome insaciável.

O rei devora todas as comidas do palácio, perde toda a sua fortuna, vira mendigo, mas nunca consegue se satisfazer. Até que, enlouquecido, come seu próprio corpo. Devora-se. Morre.

Preciso destacar que Erisictão não é o único a sofrer por ter confrontado a natureza. Durante sua tortura, ele vende a própria filha, Mnestra, como escrava. O amante dela, deus Poseidon, lhe dá o dom de mudar de forma, e assim ela consegue fugir dos homens que a compraram. No entanto, quando o pai descobre a habilidade da filha, passa a vendê-la várias e várias vezes para conseguir comida.

Gravura.
Deméter ordena que a Fome ataque Erisictão, por Elisha Whittelsey Collection.

Mas, seria a catástrofe uma forma de restabelecer a cooperação?

Esse é um tema já bastante abordado em Hollywood. Filmes como O Inferno de Dante, Armagedom, No Olho do Furacão, O Dia Depois de Amanhã e o não mais temido 2012 nos mostram o lado terrível da natureza, e também como as pessoas precisam cooperar uns com os outros para sobreviverem. Como Noé unindo sua família para sobreviver ao dilúvio. Ou como os japoneses com o seu “bousain no hi”, o dia de prevenção de acidentes, quando famílias e escolas refazem treinamentos de segurança para aprenderem a se comportar durante os terremotos (ou quem sabe durante o ataque dos anjos de Evangelion).

Nem todos aprendem a lição, é claro. Nem todo mundo quer cooperar. Os westerosi de A Guerra dos Tronos ficam tão preocupados com um trono de ferro e em matar selvagens que não conseguem sentar numa mesa sem fazer alguém sangrar, mesmo sabendo do estrago que o Longo Inverno pode fazer. Em quem será que o tio Martin se inspirou?

Quem disse que cooperar é fácil? É preciso que alguém ceda, se sacrifique, se não as duas partes. Gaia precisou conter o seu poder para ter seu lugar no panteão grego. Em Final Fantasy, é preciso utilizar o próprio espírito como catalisador da reação para restaurar o espírito da Terra. E eu tenho certeza que você já viu alguém se sacrificando pelos outros em algum filme de catástrofes naturais.

E o que ganhamos com a cooperação? A Lenda do Cavaleiro Verde pode nos responder.

Sobre viver

Sir Gawain e o Cavaleiro Verde (ou Dom Galvão e o Cavaleiro Verde) é uma lenda que narra a aventura de Sir Gawain, cavaleiro do rei Arthur. Durante uma reunião com os outros cavaleiros, aparece o misterioso Cavaleiro Verde com um machado, um homem todo pintado de verde montado em um cavalo de pelos também verdes. O estranho lança o desafio para os presentes: “Quem o ferir com seu próprio machado, será ferido um ano depois da mesma forma pelo próprio Cavaleiro Verde”. Quem aceitar o desafio, receberá o machado como presente.

Sir Gawain aceita, mas de forma perspicaz, corta a cabeça do Cavaleiro Verde. Assim o cavaleiro morre, não poderá se vingar, e Sir Gawain terá o machado para si.

Gravura.
Sir Gawain e o Cavaleiro Verde. Artista desconhecido.

Mas não é o que acontece. O Cavaleiro Verde volta à vida, pega sua cabeça decepada e promete que voltará para retribuir o golpe um anos depois como prometido. Acontecerá na desconhecida Capela Verde. Sir Gawain terá que estar lá, se não provará que é um covarde e que não merece ser chamado de cavaleiro de Arthur. E como um bom cavaleiro, Sir Gawain coopera.

Na sua aventura por encontrar a capela, Sir Gawain se hospeda com Bertilak, o senhor de um castelo, que lhe promete dar tudo que o cavaleiro conseguir caçar em sua terra, desde que dê ao senhor tudo que receber dentro do castelo. Mais uma vez, Sir Gawain coopera, sendo presenteado com cervos e javalis.

No entanto, quando o cavaleiro recebe uma cinta verde da dama do castelo, ele a esconde de Bertilak. Isso porque, nas palavras da dama, a cinta é mágica e o protegerá de todo dano. A cinta o salvaria da vingança do Cavaleiro Verde. Dessa vez, Sir Gawain não coopera, mas sem saber do segredo, Bertilak lhe presenteia com uma raposa.

Enfim chega o dia de sua morte. Sir Gawain vai à Capela, onde o Cavaleiro Verde o espera com o machado. Abaixa a cabeça para receber o golpe, mas na primeira vez desvia amedrontado. O Cavaleiro Verde zomba dele.

Envergonhado, Sir Gwain abaixa a cabeça novamente, mas agora é a vez do Cavaleiro Verde errar. Explica que só estava se preparando. Irritado, Sir Gawain grita para que ele pare de enrolar e corte sua cabeça de uma vez por todas. O Cavaleiro Verde finalmente abaixa o machado, mas só abre um pequeno corte no pescoço de Sir Gawain.

O desafio acaba.

Sir Gawain sobrevive, mas com um pequeno ferimento no pescoço.

O Cavaleiro Verde explica que estava apenas testando a coragem e a honra dos cavaleiros do rei Arthur. A cicatriz foi feita porque Sir Gawain havia lhe escondido a cinta mágica, provando sua desonra.

Você deve ter percebido a relação do Cavaleiro Verde com a natureza. Sua cor é verde, mesma cor das folhas, cor da fertilidade e do renascimento. Ele, na figura de Bertilak, permite que Gawain fique com os animais que caça em sua terra. E atacá-lo seria atacar a si mesmo, como visto também no mito de Erisictão.

Quando Sir Gawain coopera com Bertilak em seu castelo, recebe comida. Mas quando não coopera, escondendo a cinta, é ferido. Se não tivesse cooperado em nenhum momento, certamente teria perdido toda cabeça.

Embora falhe em sua aventura, a história de Sir Gawain nos mostra que o resultado de cooperar com a natureza é a vida.

--

--

Brazilian pharmacist in loved with History, Fantasy and Ecofiction. Author of The Blood of the Goddess. I write about nature in poems and fantasy stories.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Paulo Moreira

Paulo Moreira

Brazilian pharmacist in loved with History, Fantasy and Ecofiction. Author of The Blood of the Goddess. I write about nature in poems and fantasy stories.